O que é adultescência?


A “adultescência” ocorre, quando uma pessoa já passou pela infância e pela adolescência, cronologicamente falando, mas não amadureceu emocionalmente. De forma simples, é uma mistura de um adulto com mentalidade de adolescente.


Vocês devem estar se perguntando em que fase da vida da pessoa se dá a “adultescência”? É quando a pessoa cumpre essas fases da infância e da adolescência, mas não se identifica como um adulto com autorresponsabilidade e autonomia, para gerir sua própria vida, porque não percorreu o caminho da construção da sua personalidade.


E por que isso acontece? É normal? Trata-se de uma doença ou um distúrbio? Sim, ocorre e não é uma doença.


O fato é que, alguns pais, sem perceber e na tentativa de proteger os filhos, acabam provocando esse tipo de comportamento, porque não permitem que seus filhos desenvolvam habilidades e competências, para serem aplicadas como recursos no decorrer da vida adulta.


Pais que agem dessa forma, geralmente, tiveram uma infância sofrida e com privações, e, por isso, tendem a criar um mundo “cor de rosa” para seus filhos, na tentativa de dar o melhor e proporcionar uma experiência de vida diferente da que eles tiveram.


Os pais mantêm a crença de que “poupar” os filhos fará com que eles não sofram frustrações é um engano e impede o desenvolvimento da inteligência emocional, deixando assim, levando as crianças, quando crescidas a ficarem estacionadas na “adultescência”.


Um estudo norte-americano da Universidade da Califórnia afirma que impedir que as crianças passem pela experiência do erro e do acerto é uma privação do processo cognitivo e de aprendizado infantil.


O resultado é que temos pessoas que permanecem na “adultescência”, que não conseguem caminhar sozinhas e ficam, eternamente, vivendo "sob a sombra e asas” dos pais.


Essa atitude se caracteriza pelo comportamento parental que chamo de “pais helicópteros” que são aqueles pais que sobrevoam a vida dos filhos com eterna vigilância, não permitindo que nada os atinja ou não saia como esperado.


Além disso, ditam todas as regras, gostos e comportamentos dos filhos como seu reflexo. São um grande “big brother parental” de olho 24 horas por dia.


Por isso, é importante que os filhos sejam educados com senso de autorresponsabilidade e realização, para que tenham condições de atuar de forma positiva, consciente e independente em suas vidas. As crianças precisam se sentir capazes e úteis, para se tornar protagonistas de suas vidas.


E você, como pai e mãe, já pensou sobre isso?


Você deve estar se perguntando se precisa estudar para ser pai ou ser mãe. Eu vou responder que pais não têm bola de cristal e não nascem prontos. Além disso, estudamos por várias razões: aprender um idioma, passar para a faculdade.


Por isso, eu acredito que é importante a gente se aprimorar e estou aqui pra apoiar pais, cuidadores, padrastos, padrinhos, avós, tios... No processo de educação consciente, desenvolvendo habilidades e competências, pra lidar com emoções e comportamentos, que tornem nossas relações mais leves com ganho de qualidade de vida.


Também sou mãe e vou caminhar junto com você nessa jornada!


Não se esqueça de que a Academia de Pais Conscientes também está no YouTube, no Instagram, nas plataformas de podcast como o Spotify, Apple, Google , no Telegram e no Facebook.

Deixe seu comentário, curta e se inscreva na lista VIP, pra saber quando eu publicar um artigo novo. Se gostou do conteúdo e fizer sentido pra você, divulgue o Blog da APC para que eu possa alcançar mais pessoas.


Não escolhemos a forma como fomos educados, mas podemos decidir como vamos educar nossos filhos. E você, qual a sua escolha?


Obrigada pela pausa e até o próximo post!

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo